Identidade e Ambição

Ser Eurodeputado é uma missão muito estimulante. No desempenho da nossa missão temos que combinar a representação dos nossos eleitores diretos com uma visão europeia e global.

A União Europeia tem vindo a perder muitos dos traços de solidariedade e cooperação que marcaram a sua matriz fundadora. Uma matriz fundada na identidade e na diversidade. Uma conjunção benigna de povos e de nações visando a paz, o progresso e o desenvolvimento sustentável.

A entrada em funções de uma nova Comissão liderada por Jean Claude Juncker constitui uma oportunidade para afirmação de quem não se resigna ao estado das coisas e à erosão lenta mas inexorável da União Europeia na cena internacional. Uma degradação paga com crescimento anémico, desemprego e pobreza inaceitável em muitos dos Estados Membros.

Quando faço as minhas escolhas e opções tenho presente o interesse nacional, mas sei também que esse interesse se espelha tanto no bem-estar dos que vivem no território português, portugueses ou não, como no bem-estar dos cidadãos europeus, muitos deles, como é o caso da extraordinária comunidade portuguesa no Luxemburgo, vivendo fora dos seus Países de origem.

Fiz por isso uma escolha clara para o exercício do meu mandato. Não me resigno a uma Europa museu amarrada ao passado e aposto numa Europa laboratório do futuro.

Só uma visão inovadora e ambiciosa pode voltar a unir os povos e as nações europeias na liderança duma globalização com as pessoas no centro. Uma globalização humanista, sustentável e progressista.

Em conformidade com estas escolhas, a agenda digital, as energias limpas, a inovação, a nova industrialização e a cooperação global serão os vetores das minhas prioridades. Nelas se insere também a dinamização das parcerias territoriais, em particular da delegação Europa-Brasil e de um grupo informal de promoção económica e cultural do espaço da língua portuguesa no mundo, em particular da Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP).

Neste Intergrupo contamos desde o primeiro momento com o apoio da Eurodeputada Mady Delvaux-Stehres, também ela interpretando o sentido último que quis dar a este meu contributo para a tribuna.

Um contributo na sexta língua mais falada do planeta e na terceira língua mais falada da Europa. Um contributo que é também um agradecimento sincero á forma calorosa como fui recebido no Luxemburgo durante a campanha eleitoral e é ao mesmo tempo um desafio a todos quantos partilharem estas palavras. Todos somos necessários para fazer da nossa europa um espaço de identidade e ambição. Um espaço vencedor. Uma referência para o futuro do mundo em que vivemos.

Carlos Zorrinho

[Professor Universitário, Eurodeputado. Presidente da Delegação do PS no Parlamento Europeu (Grupo S&D)]

mediafins.com